domingo, 13 de junho de 2010

Introdução de dissertação e tese no formato de artigo (Fernando Sabino e Paulo Coelho)

Introdução do texto científico é fundamental para o entendimento da monografia, dissertação, tese e artigo científico. Nela, o pesquisador apresenta o estudo, esclarece e delimita o Tema, situa e informa o leitor em relação ao desenvolvimento da Ideia central ou do Problema central.

Entretanto, alguns trabalhos da área da saúde "parecem" abdicar da Introdução. Não se trata de privilégio dos trabalhos denominados tese no formato de artigo nem é particularidade do texto biomédico, muito menos das teses defendidas nas melhores universidades de saúde do Brasil.

Os diversos departamentos exigem trabalhos diferentes tanto na forma quanto no conteúdo. Porém, alguns insistem que a Introdução é apenas um rótulo. Outros retrucam e querem forçar a aceitação sob o argumento simplista de que “é assim mesmo!” Não! Não é assim mesmo. Introdução de tese no formato de artigo não contém apenas Justificativa do estudo, tampouco somente Revisão da literatura, ainda que a tese no formato de artigo não tenha divisão de capítulo entre Introdução e Revisão da literatura.

O pesquisador que redige estudo científico sem apresentar Introdução:
a) Não o posiciona no contexto geral;
b) Não o insere no universo científico;
c) Talvez tenha se perdido nas etapas iniciais e no desenvolvimento;
d) Ainda que não tenha tido dificuldade de encontrar artigos científicos que sustentem o estudo, parece demonstrar que não sabe reconhecer os diferentes Temas de pesquisa nem relacioná-los ao Problema central estudado;
e) Pode ter comprometido os Resultadosporque não encontrou estudos fundamentais e, portanto, pode ter "repisado" o que está bem fundamentado na literatura científica, apesar de a princípio o Método parecer impecável. Saber utilizar os descritores e transitar pelas bases de dados não soluciona o dilema;
f) Limita a difusão do conhecimento científico;
g) Quem sabe não entendeu o próprio trabalho, porque não o apresentou.

Depois, como é muito comum, para tentar “dar um jeito” no Método, os dados são enviados por e-mail para um estatístico. Muitas vezes, nem Karl Pearson resolveria a situação. Se o Método tem defeitos, é provável que houve falhas no planejamento, se é que houve planejamento. Daí que o pesquisador não terá Resultados fidedignos nem Discussão crível.

Quando se diz que “é assim mesmo” ou “é assim que eles fazem”, reforça-se a ideia de “ciências Modas, como em arte, em literatura ou em vestuário; os pesquisadores não gostam muito de insistir na contingência irracional e na obediência que a noção de moda manifesta, mas as bibliografias aí estão para denunciar este fator”(1).

Se o título do capítulo anunciar a Introdução, mas o texto remeter à Revisão da literatura, sem tratar da Introdução, pratica-se o mesmo afastamento que cometi quando usei o título “Fernando Sabino e Paulo Coelho”. Contudo, o meu afastamento, que na teoria literária recebe o nome de estranhamento, foi proposital. No caso da Introdução de texto científico, que não é, mas parece Introdução, por ironia, lembra a literatura fantástica de Franz Kafka, ou seja, aquilo que parece ser.

Sobre Fernando Sabino e Paulo Coelho, o que tenho a dizer é simples: a Márcia, que talvez continue atuando no Instituto Rio Branco, era a única amiga a se opor ao questionamento do valor literário da obra de Fernando Sabino. Ela indignava-se com os comentários dos colegas sobre Sabino. Para eles, tratava-se de “literatura menor” e destinada ao público com poucos anos de leitura. Referiam-se ainda a leitura de bobagens que enganam leitores. Acho que a querida Márcia não se enfureceu de vez contra todos, porque nenhum dos membros do grupo pediu a leitura de um Paulo Coelho.

Para você, é importante que o autor do estudo científico apresente a Introdução e exponha o Problema central tratado no trabalho ou ainda não havia pensado nisso?

1. Moles, Abraham Antoine. A criação científica. Tradução por Gita k. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 1981. Tradução de La création scientifiquep.242.


Pedro Reiz

9 comentários:

  1. É, realmente esse assunto dá o que falar. Imagina-se que a ciência seja de certa forma neutra e que não se deixe levar por modismos. Só que no caso da introdução acho que vai além de modismo, é uma questão de necessidade, para o entendimento do trabalho tanto por parte de quem escreve como também do leitor.

    ResponderExcluir
  2. Muitas coisas parecem ser mas não são.Neste caso que vc apresenta, particularmente acho que a introdução é essencial, pois quem escreve deve pensar em quem vai ler.
    Legal!! Abraços
    Carlos Dias

    ResponderExcluir
  3. Antonio Carlos de Menezessexta-feira, 02 dezembro, 2011

    Falar em ciências modas ou que existem trabalhos estereotipados é realmente algo novo.
    Valeu

    ResponderExcluir
  4. Olá Pedro. Parabéns pela mensagem acima e pelo blog! Estou cursando Enfermagem e pretendo fazer pós-graduação. Gostaria da sua indicação de livros para eu ir me acostumando com o texto científico. Beijos
    Sônia Pires do Rêgo

    ResponderExcluir
  5. Juliana de Arruda Gomessexta-feira, 01 fevereiro, 2013

    Foi muito esclarecedora a sua explicação sobre a INTRODUÇÃO à TESE EM FORMATO DE ARTIGO. Acho que todas AS PESSOAS SENSATAS entenderam a área na qual você mencionou, ou seja, a área da saúde. É apenas nessa área que conheço os estudos “tese em formato de artigo”. Tem gente por aí precisando ler melhor. Quero dizer que, entendi claramente que você quis chamar atenção somente para que “sejam apresentados os antecedentes do problema e que seja feita uma a apresentação do trabalho”.
    Na minha área, muitos colegas do doutorado começam a escrever a INTRODUÇÃO como se fosse a REVISÃO TEÓRICA e não escrevem sobre a INTRODUÇÃO.
    Pois bem, sua explicação foi tão maravilhosa que alguns colegas deixaram de escrever um tópico com o nome JUSTIFICATIVA e que depois era pulado para a REVISÃO TEÓRICA. Agora, vejo como eles se esforçam para apresentar o trabalho e delimitar o estudo no tópico da INTRODUÇÃO.
    Assim, aprendi no seu livro de Técnicas de redação científica que a JUSTIFICATIVA faz parte da INTRODUÇÃO, como está no sumário de seu livro. Está tudo bem explicadinho na p.65, que tem uma linda figura, muito criativa por sinal e também na p.68.
    Já estava na hora de alguém abordar as etapas de DISSERTAÇÃO E TESE NO FORMATO DE ARTIGO que são diferentes da DISSERTAÇÃO E TESE no formato tradicional. Grata pela sua contribuição a nós, pesquisadores.

    ResponderExcluir
  6. Concordo com o que disse a outra pessoa. Parabéns pelo trabalho.
    Veronica Duarte

    ResponderExcluir
  7. Pedro, quais as estratégias ou técnicas para desenvolver cada objetivo?
    Márcio Garcia

    ResponderExcluir
  8. Gostaria de saber mais uma coisa: qual a técnica que você indica para explorar ou aprofundar os objetivos específicos?

    ResponderExcluir
  9. Por último e sem querer abusar, pegunto: eu posso alterar os objetivos no decorrer de uma pesquisa?
    Finalmente, grato,
    Márcio Garcia

    ResponderExcluir

 

Desenvolvido por: